O vinho viral “Que se [email protected] 2020” esgotou mil garrafas em apenas em 2 dias. Pode estar para breve uma nova edição. A última garrafa está à venda por quase um milhão de euros.

O rótulo foi criado pelo artista plástico português Francisco Eduardo, 36 anos, que se juntou à Adega da Azueira, da região de Lisboa, para desenvolver este projeto. “A ideia veio deste ano que todos estamos a passar. As pessoas estão descontentes com não puderem sair de casa, de não fazer o que faziam. Senti a necessidade de o exteriorizar”, disse Francisco Eduardo à NiT.

“Casei com uma rapariga do Porto e com ela aprendi que uma asneira no sítio certo faz sentido. Neste caso foi uma exteriorização que é positiva.” O objetivo não foi até para insultar o ano, antes mais “como um grito de esperança e não de revolta.”, referiu.

Vinho viral

No início, quando lançou o site, e as garrafas de vinho tinto com o rótulo “Que se foda 2020”, percebeu que muitas pessoas iriam pensar que não fosse verdade, que aquilo não poderia estar à venda. Outras, pelo contrário, iriam arriscar. 

“Um rótulo que diz este palavrão tem de apresentar alguma seriedade e foi isso que quis transmitir.” Por baixo do nome do vinho, escreveu mais duas duas: “Não se assuste com o nome. Que de foda é um vinho do caralho”. “Quis contrabalançar com o lado artístico”, diz.

Ainda não é certo, mas Francisco Eduardo acredita que até ao final do ano possa ficar disponível uma segunda edição.