Ventura colocou o seu futuro no Chega nas mãos dos militantes. “O povo português deu a resposta aqueles que apelaram ao feminismo, ao racismo ou antirracismo”, disse o candidato presidencial. 

André Ventura felicita Marcelo Rebelo de Sousa e pede dignidade ao Presidente da República e rutura relativamente àquele que foi o primeiro mandato. 

O candidato presidencial entrou ao som de uma música épica e foi recebido com uma ovação pelos cerca de 40 apoiantes que se encontravam na sala. Num discurso curto, afirmou que esta “é uma noite histórica”, mas, conforme tinha prometido, disse que “vai devolver a palavra aos militantes” do Chega. Esta é uma “noite histórica em que a direta por fim se reconfigurou completamente”, disse. 

“Esmagámos a extrema-esquerda em Portugal”, acrescentou André Ventura. “Tivemos mais votos do que a Marisa Matias, Tiago Mayan e João Ferreira”, sublinhou. 

André Ventura não anunciou a demissão, no discurso deste domingo, mas colocou o seu futuro no Chega nas mãos dos militantes do partido.

“Quebramos o mito das terras de esquerda, nem o partido comunista ficou à nossa frente”, disse André Ventura e acrescentou “não há Governo em Portugal sem que o Chega seja fundamental, nós somos a transformação, porque a força que hoje criamos é a força da avalanche que vai derrubar todas as barreiras nas autárquicas e legislativas”

“O povo português deu a resposta aqueles que apelaram ao feminismo, ao racismo ou antirracismo”, disse o candidato presidencial. 

“Toda a noite eleitoral foi sobre nós e tudo permitiu que este resultado acontecesse”, frisou.