Emocionada, Suzana Garcia teve conversa intimista com Goucha. A advogada foi instigada pelo apresentador a lembrar a sua passagem pela África do Sul.

Suzana disse: “O meu pai não estava. Tinha ido fazer um parecer científico à Bulgária. Fiquei magoada porque pensei que o meu pai me fosse… Proteger daquilo. Eu não gostei de estar na África do Sul”, revelou emocionada..

Porquê? “Porque era difícil para mim. Eu não sabia falar inglês, aquelas pessoas pensavam como eu não pensava…um dos episódios mais difíceis. Eu tinha uma amiga indiana. Chamava-se Soraia. A diretora da escola tinha uma panca por mim, chegava perto de mim, olhava-me e dizia-me: ‘Ah, tão branca!’. Ela veio dizer-me que eu não podia brincar com ela”, relembrou.

Suzana Garcia fez uma pausa na história para limpar as lágrimas. Voltando-se para Manuel Luís Goucha, atirou: “Você não devia ter feito isto! Está a fazer-me chorar. Ensinaram-me sempre que as rainhas não choram.”

Recomposta continuou “Lembro-me de querer brincar com a Soraia e olhar para a esquerda para saber se elas estavam a olhar. Havia um balouço preso na árvore e a miúda estava à minha espera debaixo da árvore. E ela não percebeu porque é que eu não fui ter com ela. Quando eu ia, meteram-me a mão no ombro. [Disseram-me:] ‘Nós não brincamos com eles'”, revelou em lágrimas.

e continuou: “É por isso que me magoa tanto quando dizem que eu sou racista. É por isso que me magoa ter de estar ao lado da minha família e ser separada da fila… Não sabem o que é racismo. Eu sei! Porque eu o senti! Porque eu o vivi!”, disse.