O IPMA alerta para a presença de caravela-portuguesa na costa portuguesa. O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) refere o aparecimento da espécie caravela-portuguesa em toda a costa de Portugal e até mesmo nos arquipélagos dos Açores e Madeira.

Esta substância gelatinosa denomina-se cientificamente de ‘Physalia physalis’ e exige que tenhamos cuidado

De acordo com o IPMA, influenciada por ventos e correntes de superfície, a caravela-portuguesa apresenta um flutuador em forma de “balão” de cor azul e tons lilás e rosa, é frequentemente avistada na costa portuguesa.

Tem uns tentáculos que conseguem atingir 30 metros de comprimento e são muito urticantes, capazes de provocar graves queimaduras.

Dado o perigo da mesma o IPMA refere que não devemos tocar nos tentáculos, mesmo quando a Caravela portuguesa aparenta estar morta na praia.

Caso o façamos sem intenção, a zona afetada deve ser bem limpa com água do mar e devem ser retirados quaisquer pedaços de tentáculos que possam ter ficado presos na pele.

Deve ainda ser aplicado vinagre e bandas quentes, além de ser aconselhado a procurar assistência médica.

A deteção das caravelas-portuguesas foi feita através do programa de monitorização de organismos gelatinosos na costa continental portuguesa GelAvista, do Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Segundo uma nota do IPMA, qualquer ocorrência desta ou de outras espécies de organismos gelatinosos poderá ser comunicada ao programa GelAvista.

A informação de cada avistamento (data, local, número de organismos e fotografia com objeto a servir de escala) deverá ser enviada para o email [email protected], ou através da aplicação GelAvista disponível na Play Store para sistemas Android.

Na página de Facebook do GelAvista são frequentemente partilhadas as mais recentes ocorrências de organismos gelatinosos em Portugal, e no sítio gelavista.ipma.pt está também disponível informação sobre as espécies.

Créditos: Flávia Almeida

Partilha