Aguenta as saudades, mas não voltes para quem te magoou. Ah, eu sei, eu sei, eu sei! Dá aquela coisa danada no peito, aquela vontade louca de estar perto, de ter contato, de beijar aquela boca, de abraçar aquela criatura toda e logo a gente sofre de uma amnésia crónica pensando no bendito (ou bendita) que nos fez chorar rios de tristeza e desespero, como se não tivesse acontecido nada!

Como assim? Como isso se chama? Carência ou falta de amor-próprio? Bom, creio que as duas coisas! Então, este artigo é justamente para essas pessoas que foram magoadas por alguém depois de um longo tempo de relacionamento (ou um curto relacionamento intenso) e que, mesmo depois de sofrer horrores, ainda querem estar com a pessoa, voltar para a pessoa, etc e tal.

Responde-me: por que queres voltar para alguém que te fez sofrer?

Vou tentar entender. Digamos que o teu caso tenha sido uma traição. Ou foi uma rejeição? Aquela pessoa disse grosseiramente na tua cara que não te queria mais na vida dela, foi isso? E se tiver sido um término? Sim, o teu amor chegou e disse que contigo não havia mais vida, mais relação, que não te amava como pensava que amava, então o teu mundo ficou pequenininho, cabendo na palma da tua mão e… foi esmagado.

Estas e outras muitas coisas podem ter acontecido para que o relacionamento não fosse para frente e, seja o que for, fez com que sofresses muito. Muito mesmo! Só que, mesmo depois de tudo, ainda desejas aquela pessoa na tua vida ardentemente. Ok.

Agora eu entro dizendo: “Filha, para para pensar, amiga! Colega, acorda! Achas que mereces tão pouco para ainda desejar alguém que te fez tão mal?”

Achas-te tão pouco ao ponto de nunca encontrar outra pessoa que te faça feliz e mereça o teu amor? Por que diabos a tua lanterna da atenção ainda está apontada para ele/ela? Deixaram-te no chão, lembras-te? Disseram-te coisas horríveis ete reduziram a pó!

Não sou insensível ao dizer que não devas perdoar quem te feriu. Deves perdoar, sim, afinal, guardar isso no coração é terrível, mas chegar ao ponto de querer de volta quem te fez chorar?

Com que frequência pensas em ti? Com que frequência reconheces o teu próprio valor? Com que frequência te dás nota 10 e dizes para ti mesma que precisas de muito mais, que mereces muito mais do que alguém para desperdiçar a tua vida, os teus dias, a tua juventude?

Existe uma coisa que chama AMOR-PRÓPRIO e essa coisa é maior que toda a saudade que dizes sentir! Não é orgulho, não! É VALOR!

És tu a dar-te valor como deverias fazer para sempre na tua vida e sempre que viveres uma situação parecida. Ah, que a gente aguente as saudades, mas que não voltemos para quem nos feriu, porque é facto que essa pessoa NÃO NOS MERECE.

Dá-te valor! Sai por aí cantando as canções que quiseres, num idioma inventado, com cabelo desarrumado e os braços abertos ao vento! Sai por aí dizendo que ÉS TUA e que se tentaram arrancar o teu amor de ti, fracassaram!

Créditos: Cris Souza Fontês (adaptado)