“Não vemos o nosso pai há três dias porque está no Hospital a trabalhar” foi a mensagem arrepiante de uma filha de 14 anos. Na sequência dos bares abertos em Lisboa, repletos de gente, uma mensagem arrepiante foi escrita por uma menina de 14 anos:

“Boa noite. O meu nome é Joana, tenho 14 anos e estou em casa com a minha mãe e o meu irmão de dois anos.

Não vemos o nosso pai há três dias porque está no Hospital a trabalhar continuamente e diz que tem medo de vir a casa porque nos pode contaminar. A minha mãe chora e eu tento conforta-la.

Eu também choro. Mas sabemos que a missão do meu pai é mesmo essa, salvar a vida das pessoas. Nunca tínhamos era passado por isto, em que o nosso pai para salvar a vida dos outros está a por a dele em risco.

Podemos ficar sem o nosso pai, eu sei, e por isso choro muito. Ao ver esta gente toda na rua, a celebrar não sei o quê, a beber e a dançar, em grupos, fico com vontade de ser adulta, de ser polícia ou tropa de guerra e de cometer uma loucura.

Os meus avós seguem esta página e estão sempre a partilhar coisas vossas. Hoje sou eu que vos peço: partilhem o que se está a passar nos bares de Lisboa, a minha cidade, e ajudem a parar com isto. Obrigado e boa noite.”