Foi por amor. Jesus entregou-se como cordeiro ao sacrifício que não pertencia a Ele. Jesus está vivo, o sepulcro está vazio; vejam as suas mãos e pés feridos, foi alto o preço.

Foi um alto preço, Ele não merecia, a cruz era nossa. Naquela cruz, Ele carregou os nossos pecados e culpas, mesmo sabendo que nem todos teriam por Ele o mesmo amor.

Como santo, n’Ele não havia pecado, mancha ou peso a ser levado, mas Ele assumiu uma culpa que era nossa, e sem se importar com a sua dor. Pensou primeiramente em nós. Amor assim só Ele pode ter, e esse amor continua com a mesma intensidade. Ele nos amou primeiro, nos escolheu primeiro e nos tem como filhos.

A maior prova de amor está na cruz e a maior prova de poder está no sepulcro vazio.

Como poderia um homem ressuscitar, como poderia, ao terceiro dia, alguém se levantar em seu túmulo, andar, conversar e assim permanecer vivo por dias? Na lógica humana, não há explicação, mas na lógica divina, sim. Ele é Deus, tem todo o poder. Ele provou ao inferno, o qual festejava, que a chave da morte estava com Ele e que Ele sim era o Rei e Senhor de todas as nações e povos.

Indiscutivelmente, essa foi, é e será a maior prova de amor. A Ele seja a nossa eterna gratidão, e mesmo que nunca venhamos a conseguir retribuir da mesma forma, que possamos sempre lhe oferecer o nosso melhor e lhe render glória e aleluia por tantas bênçãos que Ele nos proporciona todos os dias.

Que o nosso coração se encha de agradecimento e honras a Deus por nos enviar o Seu filho e a Jesus por nos provar tão grande amor.

Que a Páscoa seja lembrada hoje, mas vivida todos os dias, afinal em todos os nossos dias Ele merece honra, glória e gratidão por tanto amor.

Ele é filho de Deus, Jesus, Rei e Senhor, pela sua morte somos vivos, e com a nossa vida lhe agradeceremos por tão grandiosa graça.