A Europa aperta e andar de comboio ou ir a um casamento só vacinado. Em Bruxelas, quem não estiver vacinado apenas pode deslocar-se a restaurantes e bares que tenham esplanada e a locais com uma lotação inferior a 50 pessoas e a polícia já usou de canhões de água e gás lacrimogéneo, de forma a tentar controlar os protestos.

Em Singapura, as medidas vão mais longe e quem não estiver vacinado e for contagiado com SARS-CoV-2, vai mesmo ter de pagar pelos seus próprios meios os tratamentos médicos necessários.

Já em Itália, todos os trabalhadores são obrigados a apresentar o Pass Verde (serve como prova de vacinação) para entrar no trabalho, o que tem gerado uma onda de manifestações. De acordo com o jornal italiano Corriere della Sera, também nos meios de transporte de longa distância, para conduzir autocarros e táxis e em escritórios e outros locais de trabalho, o certificado é exigido.

Nos comboios, por exemplo, os passes devem ser verificados antes da viagem começar e não no final, como acontecia antes. O incumprimento pode levar a multas até aos 1.500 euros.
Em França é necessário apresentar um certificado de vacinação para entrar em restaurantes, concertos, assim como em outros eventos que apresentem uma concentração elevada de pessoas.