O Governo quer emigrantes de volta, alegando que “Precisamos muito”. Emigrantes possuem acesso a já 150 mil empresas portuguesas registadas no IEFP e com possibilidade de se candidatarem aos cerca de 17 mil empregos.

José Luís Carneiro, secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, pretende o regresso dos emigrantes ao nosso país durante um encontro com a comunidade portuguesa de Newark, Estados Unidos.

Uma das principais mensagens que ficou para a comunidade é que Portugal “precisa de todos” e quer investir no regresso dos emigrantes.

“Como disse o primeiro-ministro ainda anteontem, estamos de braços abertos para aqueles que queiram regressar ao nosso país. E precisamos muito que regressem”, afirmou o dirigente.

O secretário de Estado apresentou o estatuto de residente não habitual, que dá a possibilidade aos“portugueses que estejam na idade da reforma e que vão viver para Portugal possam estar isentos de impostos durante dez anos” e ainda o Programa Regressar, aprovado pelo Governo com medidas de incentivo fiscal, incentivo à mobilidade e ao investimento para os emigrantes que regressem a Portugal em 2019 e 2020.

De um conjunto de incentivos, o Estado pretende pagar as viagens de regresso a Portugal a emigrantes e descendentes, a aliviar a carga fiscal, a disponibilizar ofertas de formação profissional e a criar linhas de crédito.

Assim, os emigrantes já têm a possibilidade de se candidatar a mais de 150 mil empresas portuguesas registadas no Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Partilha