Gouveia e Melo emocionou ao falar do pai: “Morreu naquele dia para me passar o testemunho…”, disse a Daniel Oliveira em entrevista no ‘Alta Definição’.

O militar falou dos pais com carinho: “Eu tive uma infância muito livre e feliz, muito feliz. Os meus pais eram pessoas extraordinárias. O meu pai era uma pessoa muito extraordinária. Ao ponto de, quando eu fiz 12 anos, obrigava-me a ler os jornais. À noite, sentava-me, lia os artigos com ele e ele obrigava-me a comentar os artigos…”, disse.

Gouveia e Melo acabou por falar da morte do pai: “O meu pai morreu muito cedo. O meu pai morreu, por coincidência infeliz, morreu no dia em que eu fiz 21 anos…”

“Aquilo também foi uma marca que eu nunca mais consegui gozar os anos não é? Eu senti aquilo como um testemunho, uma passagem de testemunho, porque ele sofreu muito. Ele teve um cancro, sofreu muito, até morrer (…)”, afirmou.

E continuou: “Eu acho que ele morreu de propósito naquele dia, para me passar o testemunho. Eu estava com ele. No dia em que ele morreu, eu estava com ele”, recordou emocionado.