A antiga Procuradora Geral da República afirma que o Estado está “capturado” por redes de corrupção e compadrio e o utilizam para a prática de actos ilícitos.

Algumas estão a ser combatidas, mas outras continuam a fazer isso e há até outras que começam, considerou Joana Marques Vidal, antiga Procuradora Geral da República: “Se nós pensarmos um pouco naquilo que são as redes de corrupção e de compadrio, nas áreas da contratação pública, que se espalham às vezes por vários organismos de vários ministérios, autarquias e serviços diretos ou indiretos do Estado, infelizmente nós estamos sempre a verificar isso”, lamentou nessa mesma entrevista.

Ela afirma ainda que “eu não tenho, de maneira nenhuma, uma ideia catastrófica de que toda a gente é corrupta e que todas as autarquias são corruptas e que todos os políticos são corruptos. Não tenho nada essa ideia”.

Numa reflexão ela refere que “poderemos depois discutir se deviam estar mais abertos ou menos abertos, autorregenerem-se, não serem tão complacentes com certos tipos de atividades, mas isso é outro tipo de discussão”.

A entrevista foi dada à Rádio Renascença e podes ouvir aqui.