Uma empresa têxtil portuguesa responde em força às encomendas da dona da Zara. A têxtil de Santo Tirso está também a produzir máscaras e batas hospitalares.

A Inditex está novamente a encomendar em força em Portugal. Aliás, o CEO da Polopique, e que tem no gigante espanhol do retalho uma fatia de 70% da sua faturação, garante que a dona da Zara nunca parou totalmente de comprar, já que teve uma “reação muito boa” às vendas no online.

“São artigos muito frescos e confortáveis e ficam mais baratos do que essas batas que se deitam todos os dias ao lixo”, diz Luís Guimarães. Os pedidos começam também a surgir da Alemanha, Bélgica, Inglaterra França e até do Canadá.

“Vamos tentar que estes clientes não regressem à origem. Quero ver se os amarro cá, em Portugal”, revela Luís Guimarães.

A Polopique é um dos maiores grupos têxteis nacionais com produção desde a fibra à peça acabada.

“O Estado devia olhar com mais carinho para quem trabalha e cria riqueza no país. Foi anunciado que as empresas que continuaram a laborar iriam ser beneficiadas em sede de TSU, mas, depois, nada foi concretizado. Quem não parou continuou a trabalhar e a contribuir para o emprego e a riqueza do país. Sentimo-nos injustiçados”, diz o empresário.