Sócrates: Descoberta fortuna na Suíça de 34 milhões: “Na abertura dessa conta, de forma a salvaguardar o arguido José Sócrates sobre os fundos que ali viessem a ser recebidos, foi feito constar que, por morte do arguido Carlos Santos Silva, 80% do saldo da conta seria de José Paulo Pinto de Sousa, atuando este na qualidade de fiduciário de José Sócrates”, pode ler-se no documento.

De acordo com o do Ministério Público, Carlos Santos Silva, Sócrates e José Paulo “acordaram que seriam concentrados nas contas de Santos Silva outros fundos que seriam recebidos como contrapartidas por atos do arguido José Sócrates”, dinheiro esse que vinha maioritariamente do Universo BES.

A decisão de levar ou não Sócrates a julgamento será tomada esta sexta-feira, altura em que o juiz Ivo Rosa irá conjugar os documentos apreendidos com as restantes provas já existentes.

Sócrates está acusado de corrupção passiva para a prática de atos contrários aos deveres do cargo, fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais, falsificação, recebimento indevido de vantagem e tráfico de influências.