Cristina Ferreira “já sabe quem a está a tramar”.

O jornalista Paulo Abreu, chefe de redação da revista TV Guia, disse: “É verdade que ‘Rua das Flores’ estreou só em 18 de abril, na TVI, há menos de um mês, portanto, e com muita estrada para percorrer, mas a verdade é que os últimos números da novela humorística são preocupantes e não deixam de ser, por isso, fortes indicadores de que algo está mal, mesmo sabendo que do outro lado, RTP1 e SIC, há uma concorrência feroz”, afirmou.

E continuou: “Na última semana, por exemplo, esta aposta de Cristina Ferreira na ficção para o horário das 19:00 perdeu sempre para os rivais, andando entre os 427 mil espectadores – o pior resultado – e os 599 mil – o melhor que conseguiu. É poucochinho, e está obviamente a prejudicar a estação de Queluz de Baixo, que pode finalmente vencer um mês, o de maio, 40 meses depois”.

O jornalista criticou ainda: “A história de Roberto Pereira, o mesmo autor de ‘Festa É Festa’, é fraca, apesar de nomes consagrados no elenco, e os espectadores não estão a aderir, assim mostram os números. E se as audiências continuarem neste patamar, bem atrás do concurso de Fernando Mendes e do ‘reality show’ da Diana Chaves, a diretora de Entretenimento e Ficção da TVI tem aqui um problema (grave) para resolver. E rapidamente. Sabendo que tempo é dinheiro, o melhor é o governo de Queluz de Baixo – liderado por José Eduardo Moniz – ir pensando numa solução airosa para o fim de ‘Rua das Flores’, porque uma ideia não poderá nunca sobrepor-se ao projeto“, atirou.

Ele concluiu afirmando: “Pode ser que Cristina, que aqui elogiei na semana passada por ter trocado o “eu” pelo “nós”, e que já sabe quem a está a tramar em Queluz de Baixo, não seja demasiado teimosa e assuma, de forma humilde, que esta foi uma aposta falhada e que o acesso ao ‘Jornal das 8’ tem de ser outra coisa, como o diário do ‘Big Brother’, por exemplo”, frisou.