Acha o que quiseres de mim, isso não muda quem eu sou. Leva tempo até que a gente aprende que o nosso valor não está nos elogios que recebemos ou nas decepções que não causamos, mas sim naquilo que a gente é realmente, independente das opiniões a nosso respeito.

Viver a querer agradar, desejando nunca desapontar ninguém, aspirando a perfeição, procurando corresponder a todas as expectativas, almejando jamais ser criticado… tudo isso cansa e provoca um desgaste enorme, uma perda de energia e um desrespeito tremendo por nós mesmos.

Leva tempo até que a gente aprenda que o nosso valor não está nos elogios que recebemos ou nas decepções que não causamos, mas sim naquilo que a gente é realmente, independente das opiniões a nosso respeito.

É claro que não podemos viver isolados nas nossas bolhas, centrados no próprio umbigo, desprezando todo o resto, mas de vez em quando é necessária uma boa dose de autoconfiança para dar um dane-se a toda e qualquer exigência a nosso respeito e adquirirmos uma fé enorme em nosso jeito único de ser e de escolher, independente do que esperam de nós.

Certa vez li uma frase que dizia mais ou menos assim: “Auto-estima não significa “eles vão gostar de mim”. Auto-estima significa “tudo bem se eles não gostarem””. E é exactamente isso.

Às vezes, a gente foca tanto no desejo de agradar, na vontade de ser aceito, na expectativa de ser amado, que se afasta do mais importante: nós mesmos. Quando o nosso desejo de ser amado pelo outro supera o respeito que temos por nós mesmos, perdemos a capacidade de impor limites, de dizer “não”, de nos resguardar, de nos reservar o direito de seguir nosso coração.

Viver preocupado com o que as pessoas pensam a meu respeito, com o que as pessoas esperam de mim, com o que as pessoas desejam que eu seja… é uma das formas mais cruéis de se viver e se posicionar na vida. As pessoas podem achar o que quiserem, podem me amar ou me odiar, isso não muda quem eu sou.

Zela por aqueles que ama, respeita os que o cercam, honra a sua família. Mas não te afastes de ti mesmo só pelo desejo de agradar ou por não suportar as críticas. Viver querendo agradar nos torna marionetes na mão de quem se vale da boa vontade alheia para satisfazer os próprios caprichos.

Frustrações fazem parte da vida, e vez ou outra vais frustrar ou decepcionar alguém, mas isso não coloca por água abaixo todo o valor que tens. Aprende a suportar a ideia de que não és infalível. Também erras, também tens limites, também és imperfeito, e está tudo bem.

Faz o teu possível e peça a Deus que cuida do impossível. Não controlas tudo, não dá conta de tudo, não é infalível. Absolve os teus erros, perdoa as tuas limitações, respeita o teu tempo. Aprende a dar limites, a dizer “não” àquela solicitação, à andar no teu ritmo.

Irás descobrir que aqueles que te amam e te respeitam não deixam de estar ao teu lado quando algo não sai conforme o combinado. Ama-te o bastante para entender que nem sempre será aceite como gostaria, e está tudo bem. E, finalmente, não te cobres tanto. Entendes que mais importante que fazer tudo certo é conseguir se perdoar quando algo dá errado, pois como diz o ditado:

“Sê uma boa pessoa. Mas não percas o teu tempo provando isso”.

Créditos: Fabíola Simões